Nenhum estudante fica pra trás!

Ajude a barrar a imposição do ensino remoto na UFGD!

Nossas reivindicações:

  1. Contra a imposição do retorno das atividades através do ensino remoto na UFGD;
  2. Pela retomada da realização das reuniões dos espaços colegiados, em especial COUNI e CEPEC e das Câmaras de Ensino de Graduação e de Pós-Graduação, assim como a garantia do cumprimento das decisões tomadas nos órgãos colegiados.
  3. Pela garantia de que haja amplo debate sobre todas as atividades acadêmicas, da graduação e da pós-graduação, levando em consideração todas as especificidades e excepcionalidades do momento que vivemos e considerando a participação das entidades representativas, em especial das entidades estudantis.
  4. Pela garantia e ampliação das políticas de assistência estudantil para assegurar condições de permanência aos estudantes.
  1. Assine e apoie as reivindicações da campanha

 

2. Ajude a denunciar o descaso!

1 – Baixe Este PDF com a denúncia.

2 – Clique aqui para enviar um e-mail denunciando E ANEXE AO E-MAIL O PDF. Você estará acionando o Ministério Público Federal em Dourados e a Defensoria Publica da União.

3. Envie Relatos!

Relatos de situações específicas da sua realidade, de colegas ou cursos sobre dificuldades durante a pandemia e as consequências para as atividades acadêmicas. Se preferir, não precisa se identificar, mas nós manteremos o seu sigilo.

4. Entre no grupo do Whatsapp para receber notícias e informações.

 

Entenda o porquê da campanha:

  1. A reitoria interventora da UFGD anunciou, através de nota no dia 19 de junho, que a “volta às aulas por sistema remoto se dará em breve na UFGD”.
  2. A decisão levou em conta um questionário respondido por 4.260 discentes da graduação. Assim, 3.316 estudantes da graduação ficaram de fora da pesquisa enquanto que apenas 438 da pós-graduação participarem.
  3. Só o fato de o questionário ser online já exclui a parcela que não tem acesso às Tecnologias de Comunicação e Informação de participar desse levantamento.
  4. Diante da postura da administração da UFGD de desconsiderar a realidade de quem não  respondeu ao questionário e também não apresentar medidas para superar as limitações de acesso à internet e equipamentos de informática, fica demonstrada a inviabilidade da implantação do ensino remoto, pois, ele cerceia o direito do acesso às aulas a muitos estudantes.
  5. Ao desconsiderar as especificidades dos e das estudantes da UFGD, ressaltando-se aqueles que estão em situação de vulnerabilidade econômica, aqueles que possuem deficiências ou aqueles que são indígenas, reforça a institucionalização da exclusão social.
  6. Não é possível retomar as atividades se não são considerados os evidentes prejuízos ao processo ensino-aprendizagem que o sistema remoto pode causar, assim como as implicações psico-sociais e materiais que a pandemia tem tido nas nossas vidas. 
  7. Assim, não é possível retomar as atividades se não há condições e garantias de que todos e todas terão acesso às aulas. Impor essa medida fere o direito ao acesso e a permanência de muitos estudantes na universidade, além de precarizar o ensino, a pesquisa e a extensão.
  8. Mesmo diante disso, no dia 29 de junho veio a público a Portaria 367, assinada pela Reitora pró-tempore (ad eternum), determinando o retorno das atividades acadêmicas da gradação e da pós-graduação da UFGD a partir do dia 03 de agosto, de forma remota, por meio de Regime Acadêmico Emergencial.

Assim, diante do cenário de completo descaso e autoritarismo e do risco de violação dos direitos de acesso e permanência na universidade, DCE UFGD e APG UFGD convocam os e as estudantes da UFGD, da graduação e da pós-graduação, a se juntarem à Campanha de Mobilização “Nenhum Estudante Fica Pra Trás”.

 

Saiba mais:

Nota do Movimento Estudantil sobre retorno às aulas na UFGD através de ensino remoto.

Outras iniciativas sobre o tema/petições:

 

 

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: