Nota à comunidade acadêmica da UFGD

Aos 4 dias do mês de outubro de 2019, os membros do Conselho Universitário da UFGD e demais integrantes da comunidade estiveram presentes (e após oitenta e cinco dias de espera) para reconvocação da já realizada 97ª reunião ordinária, a qual fora novamente delegada a sala 304 para a sua realização – uma sala pequena para receber todos os participantes, uma vez que anteriormente todas as reuniões desse Conselho sempre ocorreram no Cine-Auditório localizado na Unidade I (nas dependências da Reitoria da UFGD).

Antes do início da referida reunião, fora instruída pela administração interventora uma pessoa para ficar na porta de entrada para monitorar e inviabilizar a entrada de membros da comunidade, o que fere previsão regimental do próprio Conselho. Após intensa discussão republicana, muitos conseguiram entrar na referida sala 304, mas nem todos, devido ao pequeno espaço, que impossibilitou inclusive a alguns conselheiros que conseguissem se acomodar. Importante ainda salientar que essa sala 304 não conta com saídas de emergência, como as dependências do Cine-Auditório, e a única entrada ficou completamente lotada pelo acompanhamento e presença dos membros da comunidade e conselheiros.

Logo ao iniciar a reunião, um dos conselheiros solicitou, por questão de ordem, a mudança de local para o auditório de modo a que o debate pudesse comportar todos os presentes. A reitora pró-tempore negou a apreciação da proposta de questão de ordem, não colocou em votação, novamente infringindo o Regimento do COUNI. Não bastando isso, unilateralmente encerrou a reunião na primeira manifestação dos conselheiros, sem votação direta e nominal, enterrando definitivamente os procedimentos democráticos na UFGD.

Ao cancelar ilegalmente a reconvocada e já realizada 97ª reunião do Conselho Universitário, maior conselho deliberativo da UFGD, Mirlene Damázio prolonga a crise institucional e atenta contra o bom andamento da Universidade como um todo, evitando a publicação oficial de decisões que demandam imediata resolução e andamento, tais como os processos de turnos contínuos dos servidores técnicos que precisam respeitar prazos para a sua implementação. O prejuízo imposto à UFGD e à Comunidade pela manutenção da intervenção do Ministério da Educação, na Reitoria dessa universidade, quando já se tem uma lista tríplice hígida e válida, é grave, irresponsável e projetada com o claro propósito de sucatear e atacar o bom andamento da produção pedagógica, acadêmica e extensionista dessa instituição que só tem colaborado e contribuído para o Brasil e em especial, para a Grande Dourados.

Dourados, MS, 04 de outubro de 2019.

Assinam,
Conselheiros da Universidade Federal da Grande Dourados.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: